Clic’s

Fragmentos…

Anúncios

Hoje é o início de uma nova etapa:

inícioCom base no texto acima, concordo e afirmo: “Já acreditei na tristeza, hoje sou aliada da felicidade.” A partir de hoje, obrigo-me a aprender a debochar da maldade, a gargalhar, abrir as cortinas, deixar a luz entrar, me reerguer, me reconstruir, não abrir mão de mim, deixar que vejam que minha alma e minha consciência estão límpidas, lavadas e tranquilas, não baixar a guarda e enfrentar os maus bocados de pé, firme e forte, com fé na alma e Deus no coração. {Flávia, 2015}

Auschwitz

Hoje, 27 de janeiro , é o 70º aniversário da libertação do campo de concentração nazista de Auschwitz, na Polônia. Foi o maior centro de extermínio da história do nazismo, onde estima-se que foram enviados cerca de 1,3 milhões de pessoas, das quais onze mil, a maioria deles judeus morreram.

Fonte: Zoomin.TV España

Recuperação

Olá, ando sumida por dois motivos:

1º um amado temporal destruiu com o acesso a internet e

2º recuperação de uma pequena cirurgia.

Ao ficar sem acesso a internet, pude me dedicar a leitura em conjunto com a recuperação, até agora está funcionando, o calor está infernal, mas há uma luz no fim do túnel que diz que entre amanhã e quarta vai amenizar. Fui consultar minha nota no ENEM, só tenho a dizer que não zerei na redação, mas que a nota não foi tão boa assim. Enfim, com acesso precário a internet, acabei por perder um pouco as atualizações, mas assim que possível coloco tudo em dia. (blogs que sigo me desculpem, e que me seguem, desculpas em dobro pela  falta de atualizações.

É um tédio ficar em recuperação, mesmo que em casa, pois restringiu drasticamente minha alimentação, mas logo passa, tenho pensado muito nas coisas que estão por vir em 2015, no profissional, acadêmico e outras áreas da vida. O momento não é de tomar decisões, mas em breve terão que ser tomadas, e ando ponderando entre uma soneca, uma leitura e uma pontada de dor, sobre as reações a cada ação que será tomada.

É mais tedioso sentir que grande parte destas decisões afetarão somente e tão somente a mim, mas que fazem parte da vida e que um dia temos que escolher o que nos deixa saudáveis perante todas as injustiças sofridas e presenciadas nos últimos meses. É, 2015 será um ano de adaptações.

No mais é isso, um grande abraço a quem acompanha essa “vida tão confusa quanto a américa central” que em nenhum momento é irracional.

Quanto ao resto, só o tempo dirá…

Até onde posso ir pra te resgatar?

“Te olho nos olhos e você reclama: que te olho muito profundamente.
Desculpa,
Tudo que vivi foi profundamente…
Eu te ensinei quem sou…
E você foi me tirando…
Os espaços entre os abraços,
Guarda-me apenas uma fresta.
Eu que sempre fui livre,
Não importava o que os outros dissessem.

Até onde posso ir para te resgatar?

Reclama de mim, como se houvesse a possibilidade…
De me inventar de novo.
Desculpa…se te olho profundamente,
Rente à pele…
A ponto de ver seus ancestrais…
Nos seus traços.
A ponto de ver a estrada…
Muito antes dos seus passos.
Eu não vou separar as minhas vitórias
Dos meus fracassos!
Eu não vou renunciar a mim;
Nenhuma parte, nenhum pedaço do meu ser
Vibrante, errante, sujo, livre, quente.
Eu quero estar viva e permanecer
Te olhando profundamente.”

{Poema “Te olho nos olhos” – Ana Carolina}

não somente para hoje…

para hoje

“Dos pedidos que eu tenho para hoje: pensamento positivo, boas vibrações e gente de bem.”

Texto de Clarissa Corrêa

Sempre fui de me doar. Ouvia, ajudava, consolava, me importava. E não foram poucas as vezes que, mesmo em segredo, eu deixava de pensar na minha vida pra ajudar os outros. Em segredo, explico, porque não acho que preciso de medalhas, prêmios ou troféus. Se eu faço, é de coração, sem esperar reconhecimento do outro. Mas, perdão, eu sou humana e sinto. O mínimo que a gente espera é gratidão. Aprendi que ela nem sempre aparece. Aprendi que às vezes as pessoas acham que o que a gente faz é pouco. Por tanto aprendizado, acabei descobrindo que é melhor eu cuidar mais da minha vida e menos da dos outros. Não quero morrer santa, quero morrer feliz.
{Clarissa Corrêa}